sábado, 14 de fevereiro de 2009

Dos namoros e namorados.


Poderias ter sido tu. É disto que muitas vezes me lembro. Poderias e não foste. Não fomos. Mas acho que o amor é mesmo assim. Brindei-te sempre com a verdade. Disse-te sempre o que tive vontade. E não me arrependo. Foi bom. Mesmo. O melhor de mim saiu naturalmente. E é maravilhoso quando tal acontece. Sem esforços. Sem rodeios. Sem nada. Inteiramente natural. É disto que muitas vezes me lembro. Para ter sido. Apenas bastava que tivesses feito o mesmo. Já que a essencia estava lá. Apenas não permististe. Por medo. Cobardia. Pequenice. E eu não sei amar pela metade. Não sei voar de pés no chão. Tu – és tudo aquilo que nunca me deste. E eu sou o mundo que nunca terás. Mas há coisas que se sentem. E eu senti bem o teu amor por mim. Bastou-me. Poderias ter sido tu.

2 comentários:

JS disse...

Lindo o texto,a imagem e a música a acompanhar. Fantástico, como já nos habituou.

Laranjinha disse...

Maravilhoso. :)